quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

Vou Contigo!


“Ele, porem, respondeu: Senhor, estou pronto a ir contigo, tanto para a prisão, como para a morte.” Lucas 22. 33

As palavras deste texto são expressões de um homem que conscientemente se entregou ao Senhor. É sincero, quanto se possa ver. Declara-se disposto a sofrer os extremos da vergonha da prisão e do infortúnio da morte. Não pensa em nenhuma circunstâncias que o pudesse separar do amor de Cristo. Nem podia prever que poucas horas após negaria o Senhor, afirmando que nem mesmo O conhecia. Que escárnio ao seu pronunciamento: “Estou pronto!”

Temos todos de convir em que toda a prontidão espiritual é exclusiva propriedade de Deus, e que não há no homem mérito que o Céu reconheça. Concluímos, pois, que toda a prontidão humana tem de provir do Céu. Podemos então melhor apreciar a afirmação de nosso Senhor: “Não te admires de Eu te dizer: Importa-vos nascer de novo.” Há duas lições pelos quais pode ser vista a genuinidade da conversão de alguém: Primeiro - A obediência; Segundo – Adversidade. Parece que, sem a fornalha do fogo da aflição o homem está mal preparado para defrontar extremos como a prisão e morte. Cristo isto sabia, e suavemente repreendeu Seu ardoroso discípulo. Mais tarde Pedro se converteu e firme, sofreu o martírio. Naquele momento estava na verdade “pronto”.

Mediante a oração e o estudo da Palavra de Deus, pode o homem condicionar a alma para o recebimento do poder divino, que nele produzirá  a prontidão para suportar o que quer que venha. Exemplo clássico disto é Restituta, virgem Africana, durante  o reinado de Valério. Como cristã, foi presa em Cartago, e condenada por um juiz de nome Próculo, a ser posta num velho bote cheio piche e outros combustíveis  e deixada a flutuar. Antes foi amarrada ao bote, e ateado fogo ao piche. O vento impeliu a embarcação e a mártir lá se foi mar em fora em seu bote em fogo. Aquela menina de fato estava pronta.


Conta-se que Hugh Látimer, na estaca, nos mostra como o arcabouço humano pode fortalecer-se para o mais terrível conflito.  Dizem que o seu corpo mortal, revigorando-se com a perspectiva do próximo limite de sua jornada, já não se apresentava inclinado e frágil, combalido pelo peso dos anos, mas mantinha-se ereto e formoso. Oxalá se dê o mesmo conosco, nos dias de nuvens escuras que nos esperam.

0 comentários: